• Paraíso17

PC realiza simulação da morte de empresário em Campo Grande

*Da Redação / Imagens: Valmir Dias/PC/Divulgação
11/01/2017 17h00
Simulação aconteceu no mesmo horário e local da morte do empresário / Imagens: Valmir Dias/PC/Divulgação

A Polícia Civil e a Perícia Criminal realizaram hoje, a partir das 5h, a reprodução simulada do crime que levou à morte, o empresário Adriano Correia do Nascimento de 33 anos, e deixou outras duas pessoas feridas.

 

A reconstituição foi acompanhada pela Delegada responsável pelo caso, Doutora Daniella Kades de Oliveira Garcia, e teve a participação das partes envolvidas, Ricardo Hyun Su Moon de 47 anos, Policial Rodoviário Federal, do supervisor comercial, Agnaldo Espinosa da Silva de 48 anos, um adolescente de 17 anos, filho de Agnaldo, além de uma testemunha que presenciou os fatos.

 

Leia também

>> Justiça decreta prisão preventiva de policial que matou empresário a tiros

>> MP pede prisão de PRF que confessa ter matado empresário

>> Delegada não descarta legítima defesa de policial que matou empresário

>> Juiz concede liberdade para PRF que matou empresário a tiros em Campo Grande

>> Audiência na segunda-feira definirá futuro de PRF que matou empresário

>> Policial mata empresário com tiro no pescoço em briga no trânsito

 

“A Polícia Civil trabalha sempre em busca da verdade real dos fatos, e está agindo com imparcialidade para o esclarecimento total deste caso”, informou nota da Polícia Civil.

 

A reprodução simulada ocorreu na data de hoje em virtude do prazo estabelecido por lei para a conclusão do inquérito policial. O horário em que foi realizada a reprodução simulada ocorreu na mesma hora dos fatos, viabilizando oportunizar à Delegada presidente do inquérito policial, e também aos peritos, uma proximidade maior da realidade dos fatos.

Empresário foi morto com cinco tiros efetuados pelo agente da PRF - Foto: Valmir Dias/CP/Divulgação

Para a realização dos trabalhos, foram interditadas várias avenidas na região central de Campo Grande, e liberadas logo após as 8h30. “A Polícia Civil tem certeza que a população entende que foram necessários a interdição das ruas que davam acesso ao local, visto a necessidade da elucidação deste caso”, informou a polícia.

 

Uma coletiva de imprensa está marcada para o dia (17), às 8h30, no auditório da Acadepol (Academia da Polícia Civil) localizada na rua Delegado Osmar de Camargo, S/N, onde serão fornecidos todos os esclarecimentos sobre a apuração do caso, inclusive se haverá ou não a necessidade de autos complementares. *Com informações Polícia Civil



Galeria de Imagens / Imagens: Valmir Dias/PC/Divulgação





VEJA MAIS